O termo blockchain tem origem no fato da plataforma armazenar as transações em blocos que estão interligados entre si, formando uma cadeia. Cadeia (chain) + Bloco (block). A melhor descrição para Blockchain é: um banco de dados público que é atualizado e compartilhado por muitos computadores em uma rede.

A fim de entender corretamente Blockchain, há alguns conceitos fundamentais que precisamos conhecer. Estes conceitos-chave incluem segurança, trustless-ness*, descentralização, livro-razão distribuído, algoritmo de consenso e imutabilidade.

Embora a blockchain seja freqüentemente descrita como uma tecnologia nova e de ponta, a verdade é que ela nada mais é que uma amálgama criativa de muitos conceitos, tecnologias e metodologias antigas como o livro-razão, criptografia, algoritmo de consenso , imutabilidade entre outras.

Livro-razão

No centro da blockchain está a ideia de um livro razão, um dispositivo para manter registros que permite que nos permite contar uma história. Esta história geralmente se relaciona com a propriedade em si e do histórico da propriedade de ativos. Os primeiros livros contábeis da história humana surgiram há mais de 7.000 anos e é um marco-histórico no desenvolvimento da sociedade, na cultura e na economia.

Com o fim dos hábitos nômades na sociedade surge um problema bom: ficou cada vez mais comum que as pessoas acumulassem riquezas impossibilitando transportar tantas posses de um lugar para outro e junto com isso a necessidade de ter a segurança de um registro documental e permanente da propriedade dos seus ativos. Os livros-razão vêm para resolver este problema permitindo que as pessoas fizessem negócios em grupos maiores saindo de um modelo com pequenos grupos tribais para o formato de grandes cidades.

Criptografia

A Criptografia é outro componente central da tecnologia blockchain. A palavra criptografia tem sua origem no grego, kruptós1 (escondido, secreto) e graphein (escrita).

É o estudo e o conjunto de técnicas para tornar uma informação ininteligível caso ela seja interceptada por outro recipiente que não seja o destinatário da mensagem. Fundamental desde antiguidade onde era necessário enviar e receber informações na presença de adversários, malfeitores, ou simplesmente pela necessidade de privacidade. Embora a criptografia seja frequentemente considerada como uma disciplina de ponta, ela é realmente bastante antiga. Os pilares da criptografia são: confidencialidade, integridade, autenticação e não repúdio. Na blockchain, usamos a criptografia para proteger o anonimato, para dar imutabilidade a um livro-razão e para que seja possível validar as reivindicações de propriedade que as pessoas fazem contra ativos rastreados e administrados na blockchain.

Algoritmo de Consenso

Finalmente, a Blockchain faz uso extensivo da tecnologia de redes de computadores existentes, especificamente arquiteturas de redes peer-to-peer. A mesma tecnologia que serve como a espinha dorsal de nossa moderna internet também está por baixo da blockchain. A adição de uma arquitetura de rede peer-to-peer (P2P) na mistura aumenta a redundância e tolerância a falhas, removendo pontos únicos de falha comumente encontrados em uma arquitetura típica de rede cliente/servidor.

Em um plataforma P2P todos os nós que participam da blockchain compartilham a mesma base de dados, ao ser efetuada uma nova transação é necessário a validação e sincronização de todos os nós (nodes) que participam da estrutura.

Imutabilidade

A imutabilidade pode ser definida como a capacidade de um livro-razão da blockchain de permanecer inalterado, para que uma blockchain permaneça inalterada e indelével. Mais sucintamente, os dados na blockchain não podem ser alterados (falaremos mais disso em breve). Cada bloco de informações, tais como fatos ou detalhes de transação, procede usando um princípio criptográfico ou um valor de hash. Esse valor hash consiste em uma cadeia alfanumérica gerada por cada bloco separadamente. Cada bloco contém não apenas uma assinatura digital ou hash para si mesmo, mas também do bloco anterior. Isto assegura que os blocos sejam acoplados retroativamente e incessantemente. Esta funcionalidade da tecnologia blockchain garante que ninguém possa se intrometer no sistema ou alterar os dados salvos no bloco.

Vamos nos aprofundar neste tema em outros posts mas por enquanto basta pensarmos na Blockchain como um processo simples assim:

  1. Um anúncio é feito perante várias testemunhas (nós, mineradores, validadores, etc.);
  2. Cada participante documenta os detalhes do anúncio em sua própria cópia pessoal do livro razão;
  3. Os anúncios são agrupados em “blocos”. Cada participante tenta regularmente comparar seu bloco atual com o bloco atual de todos os outros participantes da rede;
  4. Se houver uma versão do bloco atual que a maioria dos participantes tenha em comum, esta versão é considerada como sendo a verdade. Qualquer participante que não tenha os mesmos dados que a maioria simplesmente descartará sua cópia, obterá uma cópia de outro participante e seguirá em frente.

Este artigo faz parte do Guia Fundamentos de Negócios em Blockchain.

*A blockchain não elimina realmente a confiança. O que ela faz é minimizar a quantidade de confiança requerida entre qualquer ator do sistema.

1ou kryptos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s